18/11/2011

JORGE DE SENA

.

.

Sou muito mais "ligado" às Ciências e aos números, que às Letras.
Quem sou eu, portanto, para me arvorar em "crítico" literário ?...
Há porém uma coisa que não gosto : Fazerem-me sentir parvo ! Posso gostar ou não gostar, mas sentir-me achincalhado, insultado e gozado pela minha "ignorância (?)", não gosto !

Vem isto a propósito de Jorge de Sena.
Este indivíduo escreveu o que de pior se pode escrever contra os portugueses e o país que o viu nascer.

Os seus textos poéticos (cliquem nos links):

"A Portugal" e "No país dos sacanas" são do pior que se possa imaginar de insultuoso a mim, a Portugal e aos outros portugueses; "A Diferença Que Há" (entre os estudiosos e os poetas) torna-se ridícula e revoltante pela arrogância "do ser" poeta!
No último verso, reconhece, mas confessa: "O mal está em haver poetas que abusam do analfabetismo".

Nasceu em Lisboa, a 2 de Novembro de 1919 — e faleceu em Santa Barbara, Califórnia, a 4 de Junho de 1978) foi poeta, crítico, ensaísta, ficcionista, dramaturgo, tradutor e professor universitário português.

Em 1937, entrou para a Escola Naval, após o que foi demitido da Armada. Exilou-se no Brasil em 1959, naturalizou-se brasileiro em 1963 e mudou-se, apenas 2 anos depois, para os Estados Unidos em 1965, onde veio a falecer em 78.

Seria pelo simples facto de ter sido opositor ao regime que em 11 de Setembro de 2009, os seus restos mortais fossem trasladados de Santa Barbara, Califórnia, onde estavam depositados desde 1978, para o cemitério dos Prazeres em Lisboa, depois de cerimónia de homenagem na Basílica da Estrela, com a presença de familiares, amigos e do Primeiro-Ministro, José Sócrates, e da esposa do Presidente da República, Maria Cavaco Silva ?


Um indivíduo que é expulso do serviço militar, que decide mudar de Nacionalidade, é condecorado com a Ordem do Infante D. Henrique por serviços prestados à comunidade portuguesa e recebeu, postumamente, a Grã-Cruz da Ordem de Sant'iago !!!

Será que o simples facto de não percebermos o que outros escrevem, nos torna inferiores perante a sumidade dos "emissores", deuses da sabedoria, carregados de inteligência e valor e dignos de colocados num pedestral, para serem venerados ?

Ele escreveu entre muitas outras coisas, "Quatro Sonetos a Afrodite Anadiómena", dos quais postarei o 1º(só como ex.). Poderão ler os restantes no link acima. "No País dos Sacanas".

"I - PANDEMOS"

Dentífona apriuna a veste iguana
de que se escalca auroma e tentavela.
Como superta e buritânea amela
se palquitonará transcêndia inana!

Que vúlcios defuratos, que inumana
sussúrica donstália penicela
às trícotas relesta demiquela,
fissivirão boíneos, ó primana!

Dentívolos palpículos, baissai!
Lingâmicos dolins, refucarai!
Por manivornas contumai a veste!

E, quando prolifarem as sangrárias,
lambidonai tutílicos anárias,
tão placitantos como o pedipeste.


PS.:
Percebi perfeitamente : "a, de que se, e, como, se, e, que, que, às, ó, por, a, e, quando, as, tão, como o" !!! ... embora não compreendesse o sentido. :((
Será pelo simples facto de se escreveram palavras que "ninguém" entende que tornam o escritor uma sumidade ?
Se me dão licença, vou ali ler outros, “verdadeiramente notáveis", para ver se aprendo alguma coisa, porque ou estou a ser abusado, ou serei de facto "analfabeto" e saber isso, é muito desagradável, até porque ele confessa que há "poetas" que abusam dos analfabetos. :((((

Se alguma "alma caridosa", mais esclarecida que eu, estiver na disposição de me elucidar, agradeço !
.

22 comentários :

  1. Peço desculpa, não venho fazer a defesa de ninguém, muito menos atacar. Li deste escritor "Sinais de Fogo" e "identifiquei-me" imenso com essa obra. Se o Rui a ler vai sentir-se "agarrado" a ela como eu me senti.
    Na minha modesta opinião não são só os poetas "que gozam" connosco. Se falarmos em alguns pintores, para não falar "noutros artistas" da política...
    Mas quem sou eu para dar palpites?
    Olhamos, lemos, gostamos ou não. Avaliar uma pessoa com base numa pequena parte do que nos é mostrado... não me parece correcto.
    :)

    ResponderEliminar
  2. Procurei lembrar o que estudei dele, porque me parece que li alguma coisa, na altura.
    Estes exemplos que aqui deixas, não o honram, de facto...bem pelo contrário!
    beijinhos

    P.S: Neste poema pouco mais percebi do que tu.:)
    Tal como tu, também não gosto nem um pouco de ler o que não entendo.:)

    ResponderEliminar
  3. O teu post, Rui, sobre o Jorge de Sena, grande amigo da Sophia de Mello Breyner Andresen, dá pano para mangas, mas às 21,45 estou cansada demais para discutir, mas volto amanhã!

    ResponderEliminar
  4. Não creio ter lido Jorge de Sena ... ainda!

    Tenho ouvido falar muito dele.

    Modéstia à parte ... : ))) .... não utilizo o dicionário assim com tanta frequência, mas para compreender este poema, teria que o ter à minha frente (ou o priberam) para me esclarecer palavra sim, palavra não. Perdi o interesse.

    Amanhã vou ver a exposição de Chagall... vamos ver se o entendo melhor.! : )

    ResponderEliminar
  5. Sei que li este poeta no liceu e, na altura, não gostei. Lembro-me do poema que falava em prédios altos com rendas cada vez mais altas, mais tarde descobri chamar-se "Paraísos artificiais". E sim, também não abona muito o nosso país, mas essa era decisão dele como homem e poeta. Não impede que haja quem não goste.

    Também não sou muito ligada à poesia, leio muito pouca e assim um poema ou outro de cada vez. No entanto, se esse poema me passasse pela frente, não leria mais que a primeira quadra! Não tenho pachorra nenhuma para ler o que não entendo e com tanta coisa boa para ler por aí, parece-me um desperdício de tempo! :)))

    Bom fim de semana, Rui! :D

    ResponderEliminar
  6. Rui Pascoal
    Obrigado, Rui. A tua observação fez-me tentar ver os Sonetos com outros olhos e admiti um devaneio do poeta, ao pretender criar una poesia abstrata em que as palavras, inexistentes, ou sem sentido semântico, se resumem a conjuntos de sons e ritmos, mantendo as métricas e as rimas como num soneto real. Será pois como que um soneto sem linguagem semântica nem possível interpretação, mas apenas um conjunto de associações sonoras ritmadas !
    Assim faz algum sentido, se interpretado como uma experiência que julgo única na poesia !

    Abraço e obrigado
    .

    ResponderEliminar
  7. Nina
    Não ponho em causa que tenha sido um grande poeta no conjunto da sua obra. O que me choca mais é o que ele pensa de Portugal e dos portugueses, o facto de ter abandonado o seu país e mesmo assim ser homenageado como foi. Só vejo motivações políticas !
    Impressionaram-me muito negativamente os poemas referidos : “A Portugal” e “O País dos Sacanas” ! :(((
    Quanto aos Sonetos “achei-lhes” uma “possível interpretação” no comentário ao Rui Pascoal.
    Pelo menos não me parece que aí despreze ou insulte os portugueses e a sua terra, ou sequer “diga” alguma coisa ! :)

    Beijo
    .

    ResponderEliminar
  8. EMATEJOCA
    O facto de ser amigo da Sophia e de terem trocado tantas cartas quando do seu exílio, não quer dizer nada como poeta. Até poderia não o ser e serem amigos do mesmo modo.
    Como já disse choca-me profundamente a ingratidão ao nosso país de origem e o insulto ao seu povo (lê o “A Portugal” e “O País dos Sacanas” e apesar disso ser homenageado como foi. Gostava de saber os porquês daqueles poemas. Gostava da tua opinião.
    Até logo.
    .

    ResponderEliminar
  9. Catarina
    Ele foi grande no conjunto da sua obra, na verdade, mas neste caso dos Sonetos nem com dicionário nem com Priberam lá chegas, simplesmente porque não existem palavras semânticas. São apenas conjuntos de letras que lidas transmitem sons e ritmo !
    Uma boa Exposição e consola-te a apreciar Chagall !

    Beijo
    .

    ResponderEliminar
  10. Teté
    Tal como eu em relação à literatura em geral ! Sinto falta de paciência para a leitura, salvo se se tratar de leitura de pesquisa, noticiosa ou técnica. Trata-se de uma questão antiga de “vocação” diferente, mais virada para a lógica e para o real e menos para o imaginário , mas sou extremamente paciente na procura e pesquisa da interpretação das “coisas” a qualquer nível ! :)

    Um bom fim de semana.
    .

    ResponderEliminar
  11. QUERO dar a minha opinião, Rui, mas não hoje.
    Tenho cá os meus amigos de Viena e, estou já com um pé fora de casa.

    Óptimo fim de semana!

    ResponderEliminar
  12. Temos também a sumidade que se chama Vasco Pulido Valente a char e a escrever e a dizer todo o mal possível sobre Portugal...mas esse ainda não condecorado, que eu saiba!

    Ah! Claro que acertou: Madrid rrss

    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  13. "Sinais de Fogo" é uma obra fantástica...

    O escritor, viu-se na obrigação de partir e acabou por deixar o seu azedume invadir-lhe o pensamento.

    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  14. EMATEJOCA
    Ok. Té. Os amigos, depois da família directa são a coisa mais importante da vida ! :))
    Um óptimo fim de semana também para vocês ! :))
    .

    ResponderEliminar
  15. São
    A minha mulher chama-lhe o “gaguinho” ! :)) … ainda bem que anda um pouco desaparecido ! :))
    :)))
    Também para a São, um Bom fim de semana !
    .

    ResponderEliminar
  16. Luisa
    Acredito e aceito que escrevia bem, mas a questão principal que levanto é a da homenagem, depois de expulso da Armada em 37 (não creio que houvesse grandes motivos políticos e mesmo que os houvesse foi opção dele escolher a Escola Naval) ; foi o facto de mudar de nacionalidade (Brasil) e mesmo assim logo de seguida ter abandonado tê-lo abandonado e rumar aos USA ; o ter escrito aqueles 2 poemas não só contra a sua pátria como contra TODOS os portugueses ; o ter passado quase metade da sua vida fora de Portugal e sem nacionalidade portuguesa e ainda assim ser homenageado do modo como foi.
    Era preciso um azedume que extravasava “a política” e sinto-me profundamente insultado !
    Se a Luisa ainda não o fez, pf leia com atenção aqueles 2 poemas !

    Bom fim de semana !
    .

    ResponderEliminar
  17. Jorge de Sena foi, sem dúvida, um grande intelectual português, com uma importante obra de ficção, drama, ensaio e poesia, além das suas preciosas traduções, como por exemplo, "O Fim da Aventura" de Graham Greene.

    Ao ler a "Correspondência de Sophia de Mello Breyner e Jorge de Sena" compreendi então, que ele foi uma pessoa impedida de realizar a suas expectativas, tornando-se neurasténico, vingativo e com um carácter que deixava muito a desejar, mas que NUNCA deixou de amar Portugal.

    Tenho pena de escrever à pressa sobre um tema tanto do meu interesse. Penso até, qualquer dia, escrever alguma coisa sobre Jorge de Sena, que aprecio como homem de letras, mas de quem não gosto mesmo nada como indivíduo.

    Acontece o mesmo com o José Saramago. Conheço a fundo e aprecio muito a sua obra, mas NUNCA lhe perdoarei, ele querer fazer de Portugal uma província espanhola.

    Os meus amigos austríacos ficam em Düsseldorf até segunda-feira à noite, mas eu não queria deixar para tão tarde a minha resposta ao teu post, Rui.

    ResponderEliminar
  18. Confesso que não conhecia os poemas que referes e que me incomodaram bastante!
    De resto só se compreendem ou não à luz de muita raiva que acabou por verbalizar!
    Mas que tem uma obra de referência também é verdade.
    Os paradoxos do ser humano! :-((
    Embora de Letras não sou uma "expert" em Jorge de Sena!

    Abraço

    Abraço

    ResponderEliminar
  19. EMATEJOCA
    Agradeço-te o empenho e a disponibilidade para o comentário.
    Como intelectual, não ponho dúvida embora tenha que confessar que não sou de modo algum um entendido em Letras !
    Conhecendo a sua ligação de amizade a Sophia Mello Breyner, não conheço os conteúdos, mas se revelavam que se tornou neurasténico, vingativo e mau carácter não me admira nada, porque era essa exactamente a opinião com que fiquei dele depois do que li ao colocar e acompanhar este post.
    Já o Amor a Portugal não consigo entender, numa pessoa que escreve aqueles 2 poemas já citados, que revelam um ódio tremendo a Portugal e aos portugueses e daí estranhar o nosso “perdão” !
    Curioso que, como tu, sinto o mesmo por Saramago e nunca lhe perdoei as atitudes tomadas no PREC, quando director de um famoso jornal de Lisboa. Revelou-se um déspota, ao que se pode juntar este abandono de Portugal e ligação às Canárias ou a Espanha desprezando Portugal.
    Mais uma vez , Té, muito grato por te teres disponibilizado a comentar ! :)

    Bom Domingo ! :)
    .

    ResponderEliminar
  20. Rosa dos Ventos
    Retirados esses poemas citados no post, realmente a sua obra é notável !
    Como pessoa e anti-português ficam-me poucas dúvidas !
    … mas deves compreender : se tu própria dizes não o conhecer suficientemente, o que poderei dizer eu ?
    Obrigado, Rosa e passa um Bom domingo !

    Beijo ! :)
    .

    ResponderEliminar
  21. cantinhodacasa19/11/11 21:25

    Conheço o nome dele. O que se disse sobre ele e aqui neste teu post, sei por e-mail que recebi há tempos. Não conheço a obra dele.
    E como tal, não me interessa o senhor.
    E, como tu dizes, "Se me dão licença, vou ali ler outros, “verdadeiramente notáveis"

    Bom fim de semana e beijinho

    ResponderEliminar
  22. cantinhodacasa
    Olha que está considerado como um dos maiores intelectuais portugueses embora não o seja, porque se naturalizou brasileiro e passou a viver nos USA, renegando (na minha opinião) os seus compatriotas e a sua pátria !
    A sua Obra é de facto fantástica, mas só por si isso, sendo muito, não justifica tudo ! :((

    Beijinho e bom fim de semana.
    .

    ResponderEliminar