30/06/2011

LINGUAGEM DE GUERRA

Re-re-editado (com créditos)

O OOPS!!! , de imediato, respondeu certo com uma dica óptima (dos “Cher ioos em vez do Choc apic” , o que foi óptimo para manter a expectativa durante largo tempo sem que outros se apercebessem que se tratava de uma dica !

A NINA, ao falar nos Índios e nos sinais de fumo deixou-me na dúvida se teria ou não conhecimento da resposta certa.


A ROSA DOS VENTOS pegou bem na dica do oops!!!.


A SONHADORA andou lá perto com os Navajos e a LEITANITA deixou ficar a dúvida se estaria no caminho certo e o LOL também chegou às tribos índias do passado.


A todos, (estes e os outros todos) Rui Pascoal, Teté, Kok, paulofski, Luma Rosa, muito obrigado pela colaboração.

Nota: É muito complicado avaliar, ao fim de tantos comentários, quem realmente acertou com convicção para alem do oops!!!
Se por acaso acharem que há qualquer falha na apreciação é favor dizer.

A LEITANITA apresentou a sua pesquisa que não dixa dúvidas :

Use of Cherokee

The first known use of Native Americans in the American military to transmit messages under fire was a group of Cherokee troops utilized by the American 30th Infantry Division serving alongside the British during the Second Battle of the Somme. According to the Division Signal Officer, this took place in September 1918. Their outfit was under British command at the time.




.
Trata-se da língua CHEROKEE, uma tribo de índios da Carolina do Norte e Geórgia, nos USA.

Se pesquisar :
second battle of somme code language

Resposta :
Cherokee. During the Second battle of Somme, World War I, the Cherokee served as code talkers in battle. They relayed messages in the Cherokee language that Germans couldn’t decipher.

(Se pesquisar [segunda batalha de Somme linguagem code] revela que a Cherokee serviu como talkers código no campo de batalha. Eles transmitiram mensagens na língua Cherokee que os alemães não puderam decifrar.)




Acontece que enquanto preparava o post “tipo rascunho”, sem querer, cliquei em “Publicar Mensagem” . Quando pretendi eliminá-la tentei verificar no Google o que lá tinha ficado e era isto abaixo.

Sem querer fiz a pergunta e dei a resposta, como podem ver.

Pesquisando como :

segunda batalha de Somme linguagem code

encontra logo a resposta no meu próprio post rascunho:

1. Coisas da Fonte: rio somme 1918
26 jun. 2011 – Pesquisar [segunda batalha de Somme linguagem code] revela a Cherokee serviu como talkers código no campo de batalha.


INICIAL :

Final do Verão de 1918.
Junto ao rio Somme, duas importantíssimas batalhas, das mais mortais que há memória.
Sabem que nas "transmissões de informação" feitas pelas tropas, tinha que ser utilizada uma linguagem codificada para não ser compreendida pelo inimigo.

Pergunta :



Qual seria a língua que teríamos que compreender para conseguirmos decifrar a "codificação" das tropas aliadas durante a segunda batalha ?



.

60 comentários :

  1. Apenas sei que essa data corresponde ao fim da Primeira Guerra Mundial. Em relação aos códigos e língua utilizada... não faço a menor ideia. :(

    ResponderEliminar
  2. Não foi na Língua Portuguesa nem no "Evangelho Segundo Jesus Cristo" do José Saramago...
    :)

    ResponderEliminar
  3. Fariam eles como os índios e comunicariam através de sinais em código?:)

    ResponderEliminar
  4. Já agora, amigão, referes-te às comunicações escritas ou verbais?

    ResponderEliminar
  5. (Olha... olha... o Rui a querer aqui passar umas rasteiras valentes ao pessoal... e querer dar-nos a comer Choc apic... mas eu digo já que só como Cher ioos...)

    ;)

    ResponderEliminar
  6. Vou esperar que o meu "caçador especial" que fez a "guerra" em Timor chegue a casa para lhe perguntar da tal linguagem cifrada! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Essas mensagens não iriam nas asas de um passarolo, mon cher ami?

    ResponderEliminar
  9. Por cá, sou obrigada a desistir da pesquisa. Entre criptografia, sinografia a Morse e até códigos em letras, já vi tudo, mas não tenho tempo para mais, mesmo já percebendo dicas na resposta do oops!!!.
    Há que avaliar...e desta vez nem de alunos se trata, o que me levará muitas horas.:(

    E já que estamos em ambiente francês, à un de ses jours, cher ami!:)

    ResponderEliminar
  10. Olha a Sonhadora que também fala francês:)

    ResponderEliminar
  11. Rui Pascoal
    Não ! A língua portuguesa é uma das mais faladas do mundo ! Era logo identificada pelos alemães ! :))
    .

    ResponderEliminar
  12. Nina
    A brincar que o digas, não é o caso, mas isso também é uma forma de linguagem codificada. Tem a desvantagem de não ficar registada, ter pequeno alcance e poder ser decifrada pelo inimigo (acontecia muitas vezes como se pode ver nos filmes).
    Normalmente este tipo de “transmissão em código”, refere-se a linguagem escrita, mas pode ser também oral (caso do código Morse).
    Imagina, por exemplo que era chinês ou japonês. Eu não perceberia nada, mas haveria sempre o risco de haver nas forças alemãs quem soubesses essas línguas.
    .

    ResponderEliminar
  13. oops!!!
    Sabes que grande coincidência ?... Tenho comigo uma netinha e agora à hora do lanche perguntei-lhe o que queria e não é que ela me diz que queria Cheer ioos (ou coisa parecida) !? Eu tinha acabado de ler o teu comentário ! ... rsrsrsrs
    .

    ResponderEliminar
  14. Rosa dos Ventos
    É uma hipótese para entenderes a que me refiro, militarmente, mas só pesquisando se conseguirá saber.
    .

    ResponderEliminar
  15. Sonhadora
    Claro que na 1ª Guerra Mundial ainda foram um bom meio de transporte de informação, mas apenas isso. Não tinham a ver com a mensagem que transportavam. É o caso. Imagina que eram apanhados pelo inimigo. Eles tinha que olhar para a mensagem e parecer-lhe chinês. De outro modo ficavam a saber dos planos dos opositores.
    .

    ResponderEliminar
  16. Nina
    O Rio Somme é um rio francês e nele se travaram 2 terríveis batalhas ! A criptografia, o código Morse, etc, são formas genéricas de tratamento e utilização de mensagens codificadas. Neste caso trata-se de uma língua utilizada por um nº muito restrito de pessoas no mundo, para não ser entendida.
    Esta é que só mesmo com pesquisa ! Não é do conhecimento geral !
    .

    ResponderEliminar
  17. (para mim foi fácil que eu tenho uma licenciatura de armadura aplicada...)

    ;)

    ResponderEliminar
  18. Pois para mim está a ser muito difícil. Deixei-me dos números por uns largos minutos e perdi-me em pesquisa, mas niente!:))

    ResponderEliminar
  19. A batalha parece-me ter sido a de Amiens, agora quanto ao código, também ainda não cheguei lá... :)))

    ResponderEliminar
  20. Descobri cá em casa um livro sobre a Primeira Guerra Mundial escrito por Martin Gilbert, o biógrafo oficial de Churchill,com 905 páginas, li todo o capítulo referente à Batalha do Somme e nada ...
    Pelo contrário, encontrei belos poemas em inglês feitos pelos combatentes!
    Foi uma dura batalha que eu já conhecia de outras descrições!
    Não encontraste uma imagem da 1ª Guerra para ilustrar?

    ResponderEliminar
  21. Se na Segunda Guerra Mundial usaram o código dos Navajos talvez se tenham inspirado numa dessas línguas usada na Primeira...

    ResponderEliminar
  22. Talvez dos tais Cheer...qualquer coisa, tribo de indios, código que o OOps!!! está a usar desde o início!
    Só agora associei porque descobri que na Segunda usaram o Navajo...
    Será?

    ResponderEliminar
  23. Oops!!!
    Isso das armaduras não era em guerras mais antigas, oops!!! ?...
    Estás a baralhar as tropas inimigas ! :)))
    .

    ResponderEliminar
  24. Nina
    Niente ?...niente ¿ ... :)))
    Até tenho algumas dúvidas ! rsrs
    .

    ResponderEliminar
  25. Teté
    Foi nessa zona do rio Somme ! ... mas a língua em que falavam para os alemães não perceberem ... (?) :)))
    .

    ResponderEliminar
  26. Rosa dos Ventos
    Imagens com rios não abundam. Esta outra é mais “horrenda” !
    Tenho livros da 2ª. Não da 1ª, mas a net tem muito sobre o assunto. :))
    A pesquisa já produziu frutos ! :))
    Verdade. Língua dos Navajos usada na 2ª Grande Guerra ! :))
    Quem sabe se na primeira ....
    .

    ResponderEliminar
  27. Continuando o meu "inglório esforço" tentei pesquisar a melhor forma de pesquisar este assunto.
    Sem resultados práticos.
    Lembrei-me do Mirandês, até mesmo do Minderico, mas acho que não!
    Resta-me esperar para saber a solução, já que o "copianço" foi abolido!

    1 abraço!

    ResponderEliminar
  28. Que na 2ª guerra usaram O Navajo (seja lá isso o que for), também já tinha descoberto. Agora na 1ª está um "osso duro de roer".
    Como acabei de ver a telenovela da nossa gente, vou dedicar-me a pesquisar mais um pouco.

    ResponderEliminar
  29. Olá pois seria o tal Choc mas não é do Mao nem Tao... nem era chinês a origem fica noutro lado...

    ResponderEliminar
  30. Já sei. Deve ser a língua de um dos meus netos. Fala JAVANÊS, gosta de Ice Teas, de bolos, de batatas fritas, de jogos e de filmes do Panda do Kun- Fu : ) rsrsrs
    Vou mas é para a cama que já são horas.
    Amanhã, ou melhor, logo, venho ver qual a malfadada língua.

    ResponderEliminar
  31. Agora já não posso dizer niente. À linguagem nativa dos navajos cheguei sem ajudas, mas fiquei-me por aí. Ontem, o meu Nando disse-me qual era e, como o oops!!! já aqui deixou dicas e a já há aqui muitas "respostas", fico-me por aqui, sem batotas.:))
    beijocas

    ResponderEliminar
  32. Alto aí!
    Apareceu aqui alguém a falar do Minderico!
    Que alegria!

    Uma minderica

    ResponderEliminar
  33. Kok
    Nunca é inglório, Kok ! J)
    Quantas vezes procuramos umas coisas e aprendemos outras bem mais interessantes !
    Por ex., acabas de dar uma alegria a uma nossa amiga e divulgares uma coisa muito interessante que é o linguajar de Minde, com origem nos seus antigos comerciantes de mantas. O Minderico ou Piação dos Charales do Ninhou, que não é uma língua como o mirandês, mas uma variante linguística, um linguajar, falado em Minde !
    Só por isso, já valeu a pena o teu comentário !
    ... mas era essa a ideia. Vê lá se a dita linguagem codificada era mesmo o minderico ?! ... quais os alemães que a conseguiriam identificar ? :)))

    Um Abraço
    .

    ResponderEliminar
  34. Sonhadora
    Talvez andes perto ! :)))
    A avaliar pelas sugestões, não faltariam “línguas”, variedades linguísticas, linguajares, dialectos, para utilizar em linguagens codificadas ! rsrsrsrs
    .

    ResponderEliminar
  35. leitanita
    Olá leitanita ! Bem aparecida ! :)) Exacto. Não desses lados. Mais Tsa-la-gi sem p nem b e cheia de “truques” ! :)
    Uma língua polissintética (seja lá o que isso for) que ainda é falada ! rsrsrsr
    .

    ResponderEliminar
  36. Nina
    O teu “agente americano” já te pôs ao corrente ! rsrsrs
    Eu sei que, teimosa como és chegarias lá de qualquer forma !
    Estavas lá muito pertinho !
    .

    ResponderEliminar
  37. Rosa dos Ventos
    Pois é, Rosa ! O dia ganho ! Ficamos à espera de um texto em Minderico lá no teu canto ! Também gostaria de saber mais sobre o assunto ! :))
    Um bj para a minderica ! :))
    .

    ResponderEliminar
  38. Todos

    Vou saír agora e não sei se poderei acompanhar o post. Se não puder, as minhas desculpas antecipadas.

    Para ajudar,... trata-se mesmo de uma língua americana, falada ainda hoje e que não é o inglês evidentemente.
    .

    ResponderEliminar
  39. Só se for a língua de alguma das tribos índias do passado. Ainda assim.....não estou a ver qual seja. lolololol.

    ResponderEliminar
  40. Pois foi, amigão.
    Deve ter tido pena de mim e lá se descaiu...ou será porque, quando se trata dos States, as orelhas ficam-lhe logo em pé? Não admira, tadinho, cresceu por lá. Não vês como fico quando aqui aparece alguma menção à minha pátria mãe?
    A propósito, sei bem que o Rio Somme deu lugar às duas grandes batalhas da primeira guerra. Ainda pensei tratar-se do dialecto da região "le picard", mas depois percebi que se tratava de uma língua diferente.
    O que é engraçado é que a conversa, ontem à noite, também andou à volta disto e esta noite vi índios e cowboys no sonho.lol

    beijocas

    ResponderEliminar
  41. Códigos só sei o do multibanco, e nem imaginas o linguajar utilizado quando vejo o saldo no talão!

    ResponderEliminar
  42. Pegou pesado!! Não consigo imaginar algo que não poderia ser decifrado pelo inimigo. Afinal, a falta de certeza de quem é o inimigo, tende a queremos deixar tudo guardado no campo das ideias ;) Boa semana! Beijus,

    ResponderEliminar
  43. L.O.L.
    Era isso mesmo ¡ A resposta sai já ! :))
    .

    ResponderEliminar
  44. Nina
    Claro que o oops!!! acertou de imediato com o lanchinho do "Choc. apic" e dos “Cher .ioos” ! :)))
    .

    ResponderEliminar
  45. paulofski
    Tens que ter cuidado ! ... Olha que essa linguagem já é muito conhecida ! Ouve-se por todo o lado ! :)))
    .

    ResponderEliminar
  46. Luma Rosa
    Olá Luma ! ... Serias capaz de decifrar a língua daquela tribo de Índios ?...
    Pelos vistos as tropas aliadas acharam que os alemães não seriam capazes ! :))

    Óptima semana ! Beijinho
    .

    ResponderEliminar
  47. (Hummm... eu sei que o erro do outro não justifica o nosso... como tal, até nem vou perguntar ao Rui " e o que é que eu tenho a ver com isso?" para que se justifique a ausência do vitorioso nome do oops!!! lá arriba... e em azul... se possível...)

    ;)

    ResponderEliminar
  48. Venho contestar!
    Num dia glorioso em que me aparecem no estaminé quase todos os meus homens, não ver aqui o nome do oops!!!, deixa-me desolada.

    Também não percebi onde raios estava essa informação! É certo que não faço batota, mas se a tivesse visto, tinha-to dito e impedia-me de pesquisar tanto tempo.:))

    beijocas

    ResponderEliminar
  49. Eu devia ter desconfiado que isso era coisa para setas e flechas.
    Mas qual quê? Perspicácia nunca foi atributo que tivesse recebido quando da distribuição de capacidades intelectuais.
    Fui dos últimos e por isso tive que aproveitar o que havia...
    Desta vez tive a sorte de "fazer a alegria" de uma Rosa Minderica. Menos mal...

    1 abraço, pah!

    ResponderEliminar
  50. Primeiro cheguei ao Navajo, depois fez-se-me luz com o código do Oops!!! e cheguei ao Cherokee!
    Juro que não dei pela tua pista!

    ResponderEliminar
  51. Oops!!!
    Calma, meu Amigo ! :)) O problema é que eu sou muito lento, tenho família grande, cheguei há pouco,... ver os comentários e responder,... jantar com a família, ... comentar umas coisinhas rápido, deixar outras por comentar e que queria muito comentar, etc., etc.. Os “créditos ainda vão para o sítio devido ! :)))
    Sem qualquer dúvida OOPS!!! O GRANDE VENCEDOR EM DIA ESPECIAL !
    .

    ResponderEliminar
  52. Nina
    Epá ! Isto parece a contestação ao programa do governo na AR !
    Eu sei que hoje é um dia gloriosíssimo e muito especial – 6 posts há um ano e hoje “plenários” aí por vários sítios ! :))) Isso também me atrasou um bocado e faltou muito que dizer ! :)))

    Bj de parabéns (pelo aninho) ! :))
    .

    ResponderEliminar
  53. Kok
    Foste fantástico ao lembrar o Minderico da nossa amiga Minderica !
    Pela minha parte, obrigado, Kok ! :))

    Abraço !
    .

    ResponderEliminar
  54. Rosa dos Ventos
    Claro que o grande mérito tem que ir para o oops!!! !
    Não foi nada fácil chegar aos Cherokees !
    ... e agora já viste como é complicado no meio de tantas respostas, ir ver quem teria acertado depois do oops !!! ? :)))
    .

    ResponderEliminar
  55. Amigão, este aninho ainda só é daqui a uns dias, logo após o meu aniversário.
    O que se comemora hoje é, "apenas", a vontade que eu tinha em agarrar este grande homem. Mal eu sabia, na altura, que teria muito mais do que 1!:)

    Como ando nostálgica, relembro posts anteriores. É que nesta altura, há um ano atrás, eu já estava apanhadinha e só queria ser...apanhada!

    A verdadeira comemoração chegará a 15...a 16...a 9, do mês seguinte, também.:))

    Mas vê só o que hoje já por lá me apareceu. Essa comemoração GRANDE, daqui a uns dias, promete!:)

    beijocas e vai lá pôr o nome do oops!!!, antes que aqui venha sua incelência!;)

    ResponderEliminar
  56. Nina
    Aaaahhh!!! Por se terem junto todos e por teres falado nos 6 posts do ano passado, julguei que era hoje ! :)))
    Parece que promete mesmo ! És merecedora e tens uns Homens Fantásticos, não esquecendo de modo algum o mais pequenino, que está fantástico !
    Queria ter comentado, mas a "pressão" é muita !
    Vida familiar muito intensa, o meu blog que dá mesmo muito, muito trabalho e os dos amigos para comentar é muita coisa !
    Este atraso nos créditos, por ex. !
    Não tinha qualquer dúvida em que o oops!!! tinha sido o primeiro a acertar sem qualquer dúvida, mas tinha dúvida em muitos outros e para isso há que ler com atenção todos os 56 comentários ! :))))
    O nome do oops!!! já lá está e a AZUL ! rsrsrs
    .
    .

    ResponderEliminar
  57. Devo dizer que na minha busca encontrei estes 2 e fiquei baralhada... achei mais piada ao Choctaw porque não conhecia e nem liguei à dica anterior do Somme... por isso meu caro acertei na água ao lado do porta aviões!

    Use of Cherokee

    The first known use of Native Americans in the American military to transmit messages under fire was a group of Cherokee troops utilized by the American 30th Infantry Division serving alongside the British during the Second Battle of the Somme. According to the Division Signal Officer, this took place in September 1918. Their outfit was under British command at the time.

    Use of Choctaw

    Coctaws in training in World War I for coded radio and telephone transmissions. In the days of World War I, company commander Captain Lawrence of the U. S. Army overheard Solomon Louis and Mitchell Bobb conversing in the Choctaw language. He found eight Choctaw men in the battalion. Eventually, fourteen Choctaw men in the Army's 36th Infantry Division trained to use their language in code. They helped the American Expeditionary Force win several key battles in the Meuse-Argonne Campaign in France, during the final big German push of the war. Within 24 hours after the Choctaw language was pressed into service, the tide of the battle had turned. In less than 72 hours the Germans were retreating and the Allies were in full attack. These solders are now known as the Choctaw Code Talkers.

    ResponderEliminar
  58. (Hummm... por acaso eu reparei nisso...mas como já sei que o Rui é um gajo do baralho, avisei logo no 1º comentário que esta tinha esparrela...)

    (Agora ao Rui, gabo-lhe a paciência comigo...)

    ;)

    ResponderEliminar
  59. Leitanita
    Óptima pesquisa, má escolha ! :)) Foi pena não teres em consideração que se falava expressamente da “2ª batalha do Rio Somme” ! :)) ... está lá tudo nos Cherokee ! :))

    Nota. Tudo de bom para os "Novos Rumos" ! :))
    .

    ResponderEliminar
  60. oops!!!
    Olha se eu fosse um gajo de “outra coisa” !!! :)))
    ... mas não acho que houvesse intenção da minha parte para “complicar” ou “passar rasteira” ! :))
    .

    ResponderEliminar